CORRIDA: OUTDOOR VS ESTEIRA

corrida esteira vs corrida outdoor

Rafael Aragon e sua maior incentivadora, a Gabi!

Eu gosto muito de compartilhar com meus leitores textos escritos de forma didática e com um bom embasamento científico, que se relacionam com algum problema de ordem prática de todos nós, corredores.

Hoje me deparei com um assunto que tenho tentado escrever a respeito por alguns dias já sobre vantagens e desvantagens das corridas outdoor versus esteira.

Seja devido ao excesso de calor, de frio, pela chuva, pela segurança ou pela comodidade na questão de horários, algumas pessoas optam por treinar na esteira. Mas será que correr na esteira é tão bom quanto correr na rua mesmo?

Meu amigo Rafael Aragon, treinador de triathlon e personal trainer na Bio Eco escreveu um post com informações ótimas sobre o assunto. Transcrevo abaixo o post dele:

O que é “melhor”, treinamento de corrida “outdoor” ou na esteira?

Alguns dias atrás, conversando com os amigos e colegas de trabalho, Alan e Ricardo, resolvi escrever este texto a respeito de um assunto que gera muitas dúvidas em quem pratica corrida / triathlon.

Eu , as vezes, me pego criticando injustamente a corrida em esteira, pois adoro correr ao ar livre! Preferências individuais a parte, escrevi esse texto, baseado em pesquisas científicas, sobre alguns aspectos envolvendo o assunto.

Como a maioria dos aspectos em nossa vida, a resposta para a questão acima não é um simples “este” ou “aquele” método de treinamento é melhor. A resposta é depende!

1- GASTO ENERGÉTICO: alguns defensores da corrida outdoor constantemente alegam que o gasto energético da corrida em ambientes externos é maior do que o obtido na corrida em esteira, principalmente pela ação da resistência do ar. Um estudo realizado na Universidade de Exeter, no Reino Unido, constatou que pequenos acréscimos na inclinação da esteira (no caso do estudo, 1%) poderiam compensar a diferença de gasto energético causada pela resistência do ar na corrida outdoor, portanto podemos concluir que é possível realizar treinamento com gasto energético muito semelhante tanto em corrida outdoor quanto em esteira.

2- LESÕES: alguns defensores do treinamento de corrida em esteira defendem que devido ao sistema de amortecimento do equipamento há redução significativa do risco de lesão em relação a corrida outdoor. Estudos indicam que essa afirmação não é totalmente verdadeira, há chances consideráveis de lesão por esforço repetitivo na esteira, devido a falta de irregularidade na superfície do equipamento (o que sobrecarrega certas estruturas repetidamente) e aumenta a chance de lesões em ligamentos e tendões. Na corrida outdoor, devido às imperfeições no solo, a carga é distribuída diferentemente a cada passo, diminuindo a sobrecarga nas mesmas estruturas e este desafio constante causado pela irregularidade do solo não só fortalece os ligamentos como ativa uma maior variedade de músculos, mas também melhora o equilíbrio. Nos treinamentos em esteira é aconselhável mudar constantemente a velocidade e inclinação visando não sobrecarregar as mesmas estruturas.

3- TREINO EM SUBIDA: a esteira pode ser muito útil nos treinos em subida. Por exemplo, se você está treinando para a Maratona de Revezamento Bertioga Maresias e vai encarar o ultimo trecho, da “serra de Maresias” é aconselhável treinar subidas. Pensando na especificidade do treino seria pertinente realizar alguns de 3km de subida, mas dificilmente encontraremos uma subida dessa extensão na região. Outro fator a considerar é que não será preciso descer. Por exemplo: 4 X 500m de subida, o treinamento total será de 2km de subida, mas também, os indesejados 2km de descida. Nas descidas realizamos contração muscular chamada de excêntrica que está associada a um grande número de lesões e/ou causará maior sensação de dor muscular pós treino o que vai gerar queda de performance e/ou retardar a volta aos treinos de alta intensidade, como os de tiro em pista de atletismo. Resumindo, a dor causada pela descida dos tiros de 500m (que não faz parte do propósito dos treinos) e o risco de lesão serão mais desgastantes do que os próprios tiros de subida. Acrescento que nas descidas a sobrecarga em certas estruturas como as articulações é aumentada.

4- APLICAÇÃO DE TESTES: a esteira, por dar ao treinador condições mais controladas, como graduação precisa da velocidade e inclinação, apresenta obtenção de dados mais confiáveis em relação a testes, como o de Conconi para determinação do limiar anaeróbio, testes de técnica de passada, etc.

5- FACILIDADE DE ACESSO: principalmente para pessoas que vivem em regiões metropolitanas, devido a questões de segurança, mobilidade até os locais adequados para a prática de corrida outdoor, a esteira é um recurso valioso para economizar tempo e manter os treinos, visto que facilmente podemos ter acesso a uma esteira em um clube próximo do local de moradia ou trabalho ou mesmo ter um equipamento em casa.

6- BEM-ESTAR: essa é uma questão muito importante, pois além do beneficio do próprio treinamento, a corrida outdoor pode nos trazer sensação de bem-estar. Pode parecer um efeito subjetivo, mas não é. Uma extensa pesquisa da Universidade de Exeter apresentou resultados claros sobre esse item. Uma extensa revisão bibliográfica de vários estudos relacionados , revelou que o exercício em ambientes externos, especialmente em espaços verdes , foi associado com maior sensação de revitalização , ” pensamentos positivo” , diminuição da tensão, raiva, depressão e aumento da energia .
Conforme foi constatado nesses pouco itens explorados tanto a corrida outdoor, quanto a realizada em esteira pode ser indicada, levando-se em consideração a individualidade biológica (peso corporal, nível de condicionamento físico, etc), aspectos sociais (local de residência, do trabalho, facilidade de acesso a locais para a prática de corrida outdoor com segurança) e o tipo de treinamento a ser executado.

Obtenha o melhor da corrida outdoor e na esteira, maximizando os seus resultados com segurança!

Bons treinos pessoal!

**Rafael Augusto Aragon Rodrigues é Treinador de Triathlon e Personal Trainer na Bio Eco Esportes Assessoria Esportiva. Triathleta amador desde de 2003 com participação em provas de diversas distâncias, como: Triathlon Short, Olímpico, 70.3, 140,6 (Ironman), Ultramaratonas e maratonas aquáticas. Também é pai e marido entre uma prova e outra!**

Alexandre Dias Lopes, Luiz Carlos Hespanhol, Jr., Simon S. Yeung, Leonardo Oliveira Pena Costa
Sports Med. 2012; 42(10): 891–905

Clement DB, Taunton JE, Smart GW, McNicol KL. A survey of overuse running injuries. Phys Sportsmed. 1981;9:47-58

Hreljac A. Impact and overuse injuries in runners. Med Sci Sports Exerc. 2004;36:845-849

Jones AM1, Doust JH. A 1% treadmill grade most accurately reflects the energetic cost of outdoor running.J Sports Sci. 1996 Aug;14(4):321-7.

Consulta na internet, http://www.bbc.com/news/magazine-35399598. Consultado em 02/02/2016.

Thompson Coon J1, Boddy K, Stein K, Whear R, Barton J, Depledge MH. Does participating in physical activity in outdoor natural environments have a greater effect on physical and mental wellbeing than physical activity indoors? A systematic review. Environ Sci Technol. 2011 Mar 1;45(5):1761-72. doi: 10.1021/es102947t. Epub 2011 Feb 3.

2 thoughts on “CORRIDA: OUTDOOR VS ESTEIRA

  1. Ainda bem que o bairro em que moro me permite correr pelas ruas tranquilamente pois, para mim, correr na esteira é bastante monótono. Adoro estar em contato com a natureza, sentir a briza no roso e ter a liberdade de fazer novos percursos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

26 − = 25